A circulação de motocicletas nos corredores é uma prática permitida no Brasil e também um hábito comum, não só em metrópoles do país, como em lugares da Europa e Ásia. Porém, o ato é considerado perigoso.

Especialistas em trânsito destacam que o uso do corredor é uma necessidade das grandes cidades e que proibir esta prática tiraria a essência da moto, que é proporcionar uma maior mobilidade em vista de veículos maiores.

Um estudo nos Estados Unidos diz ainda que acidentes nos corredores causam ferimentos menos graves e menos mortes do que os quando a moto está atrás de outros veículos.

Entretanto, a maioria dos condutores declara que o risco é maior por conta do abuso de velocidade. No dia-a-dia, isso é agravado pela falha na comunicação, enquanto motoristas criticam a falta de cuidado dos motociclistas munidos de buzina, os que estão sobre duas rodas reclamam da desatenção de quem está no volante.

Uma vez que a moto auxilia a sociedade nos momentos em que agilidade é necessária, o que seria necessário é a criação de dispositivos para conter o ímpeto daqueles que abusam e colocam em risco a integridade física pessoal e principalmente, dos pedestres.

Em audiência pública, o Observatório Nacional de Segurança Viária – ONSV se posicionou a respeito do tema e sugeriu quatro ações de segurança:

  1. Delimitar virtualmente o espaço para motocicletas entre a faixa da esquerda e a primeira da direita dos carros;
  1. Autorizar o uso desse espaço virtual apenas em condições de trânsito lento e/ou parado;
  1. Limitar a velocidade nesses “corredores” a 40Km/h, tendo em vista que atualmente a tecnologia permite a fiscalização de velocidade por meio de equipamento portátil;
  1. Orientar os motociclistas que, nos casos em que o trânsito estiver a fluir de forma compatível com a via, eles deverão ocupar o espaço na faixa de trânsito.

Essas propostas não se tratam de penalidades aos motociclistas, mas sim de estipular regras a respeito de como devem transitar nas diferentes situações do trânsito, visto que toda a sociedade será beneficiada diminuindo o número de feridos e mortos.

A segurança dos motociclistas é uma preocupação de longa data do observatório, que já realizou estudos sobre o assunto, defendendo uma melhoria nos itens que impactam na segurança, desde iluminação, espelhos, a regulamentação de moto-frete e moto-táxi, como também num melhor processo de formação do condutor.

Visto tudo, se mostram positivos os caminhos trilhados a gerar formas seguras de circulação, porém cabe aos motociclistas realizar a parte deles no processo de mudança do cenário.