Provavelmente você nunca vai chegar a uma velocidade tão alta em cima de uma motocicleta, a não ser que esteja dentro de uma pista de corrida profissional em uma longa linha reta. Seria uma atitude também impensável de se realizar em uma cidade, pois você corre o sério risco de se machucar e, pior, machucar os outros.

Mas respondendo à pergunta, “Como é andar a 300km por hora?”, você imediatamente tenta formular a resposta em uma palavra, mas é impossível. É ao mesmo tempo estimulante, perigoso, faz você se sentir vivo e também ensandecido.

Mesmo com motocicletas superesportivas, a velocidade de 300km/h não é atingida rapidamente. Antes de você conseguir chegar a esse número é bem provável que você pense em desistir em vários momentos. Atingir uma velocidade tão alta é algo que se faz olhando muitos quilômetros à frente, de modo a ser preparar em caso de qualquer desvio de rota.

Um dos problemas em acelerar a moto progressivamente, é que você acaba atingindo um ponto em que as coisas se transformam em borrão, e fica cada vez mais difícil de enxergar, até mesmo o próprio painel da moto. A percepção que você tem do barulho também é alterada, já que você passa a ouvir um som ensurdecedor; é como se você estivesse ao lado de um jato militar.

A próxima observação que você faz dessa experiência é a enorme vibração que é causada com o aumento da velocidade. Tudo fica tremendo e você sente que as peças da moto vão se desmontar sozinhas.

Se você acha que acabou, está enganado. Na medida em que ganha velocidade, você atinge um ponto em que a pressão do vento empurra seu corpo para trás, fazendo com que você tenha que manter bem firme suas mãos firmes no manete e sua cabeça baixa.

Sim, é emocionante, mas a probabilidade de acabar em tragédia é grande. Se você quiser saciar seus desejos de correr em alta velocidade, vá em circuitos fechados e pague para desenvolver técnicas de pilotagem em alta velocidade, mas jamais faça em rodovias ou vias públicas.

Com Motobike Writer