Se o produto é bom, o que mais importa? Muitos motociclistas se contentarão em apenas comprar o produto desejado – muito provavelmente em um momento de urgência – para depois não mais se lembrar do vendedor ou do lugar onde adquiriu a peça. Nesses casos, os vendedores se tornam apenas elementos intermediários, e sua função é apenas a de realizar a transação financeira e esperar para que outro consumidor apareça à sua porta.

Por que essa é uma prática ruim?

Um vendedor que não exerce a prática de argumentar sobre as marcas de motopeças e suas qualidades, não conquistará para si a confiança de seus consumidores, e logo, não conseguirá se destacar dos demais distribuidores. Seu estabelecimento será apenas mais um no mercado.

Sendo essa uma questão relevante para fechar negócio, a Controlflex entende que é importante estimular a propagação de seus produtos e informar as características de cada peça para o vendedor ou proprietário responsável.

Um cliente que desconhece as qualidades de uma marca, não se importará em comprar de um concorrente. Em seu raciocínio, contanto que o concorrente ofereça a mesma peça por um preço melhor, sua compra terá sido bem sucedida. É responsabilidade, tanto do fornecedor, como do varejista, a de conhecer profundamente aquilo que está vendendo.

De que outra forma uma marca poderá ser reconhecida no mercado, se não for pela qualidade de seus produtos e pela força de venda de seus distribuidores? Uma força de venda que sabe por que uma marca é diferente da outra, e por qual motivo a Controlflex é uma das marcas que possui referência no segmento de motopeças e de cabos de comando.

É importante espalhar o conhecimento técnico sobre os componentes de motos que constituem o catálogo da Controlflex e da Vini, para entender os benefícios de adquirir um produto de uma marca forte e de qualidade, e que enfim, todos possam sair ganhando.