A troca de óleo é um dos requisitos básicos para realizar a manutenção de uma motocicleta. É justamente o óleo que diminui o atrito entre as peças, prolongando a vida útil de todos os componentes. Mesmo que o motociclista não perceba a diferença do motor com pouca lubrificação, não significa que as peças não estejam se desgastando internamente.

Com o tempo o óleo se torna ineficaz, já que perde o efeito da viscosidade, além de ser poluído por pequenas partículas de sujeira, afetando o desempenho. A troca periódica do óleo garante a durabilidade e potência do motor, e ajuda a economizar nos gastos em reposição de peças.

Esse item deve ser avaliado com cautela já que existem muitas orientações genéricas espalhadas por aí e que confundem os motociclistas. O hábito de verificar a troca de óleo da motocicleta é normalmente uma tarefa delegada a mecânicos ou frentistas de postos de combustível. Embora muitos desses profissionais já tenham anos de experiência em se tratando de manutenção de motos, é possível que estejam habituados a práticas que não são recomendadas para todos os modelos. Nem todos os tipos de motos possuem a mesma quilometragem para a troca, e tampouco deve ser utilizado o mesmo óleo para todos os modelos.

Apesar do excesso de orientações sobre o período ideal para se trocar o óleo, a única maneira de garantir a substituição no tempo certo é seguindo exatamente a indicação descrita no Manual do Proprietário, entregue no momento da compra da motocicleta. Esse manual, inclusive, é o principal guia que indica com precisão o tipo de óleo a ser utilizado.

Existe uma razão para se utilizar óleo específico desenvolvido para determinados modelos e motores. O óleo é específico pois possui características particulares de lubrificação, viscosidade e entre outras compatibilidades que são próprias para aumentar a vida útil do motor. É por essa razão que não se deve utilizar óleo de carros em motos.

Os motociclistas devem também se atentar ao uso severo da moto indicado pelo manual. O uso severo é determinado a partir do tipo de uso que o motociclista tem de sua moto, que podem incluir condições extremas de contato com umidade, sujeira ou terra; bem como uso para transportar grandes cargas. Na dúvida, se sentir um cheiro muito forte no motor e o tanque esquentar, é um sinal de que chegou a hora de trocar!

Se você já segue as instruções de manutenção de sua motocicleta conforme descrito no manual, então já está de acordo com as melhores indicações possíveis. Contudo, para assegurar que está em dia com o nível do óleo, é importante também criar o costume de sempre realizar a verificação ao menos uma vez por semana.

Uma última consideração para a troca é avaliar também a condição dos filtros de ar e óleo. Se esses itens já estiverem no fim de sua vida útil, faça questão de realizar a reposição dessas peças que também são responsáveis por garantir o bom funcionamento do motor.