Há poucas dúvidas de que as motocicletas modernas são muito mais confiáveis ​​do que os modelos antigos. Apesar de todas as melhorias, sempre há a certeza de que com o tempo uma motocicleta vai apresentar problemas relacionados às peças e à mecânica.

Quer saber quais são as principais peças de motos que quebram com frequência? Veja só cinco peças que, se não forem substituídas adequadamente, podem deixar o motociclista na mão:

1 – Velas de ignição

Em tempos de injeção eletrônica, é pouco provável que as motocicletas com sistemas de injeção eletrônica apresentem os mesmos problemas em comparação com as tradicionais velas de ignição de motos carburadas. Mas ainda assim, são peças que se estiverem defeituosas, podem impedir que a motocicleta tenha seu funcionamento correto ou até de ligar.

2 – Cabos de embreagem

Os cabos de embreagem empregados nas motocicletas podem facilmente se desgastar sem realizar lubrificação adequada. Um cabo rompido ou deteriorado pode tornar o seu manete da embreagem rapidamente inoperante. No entanto, é necessário observar o posicionamento da manete: muitas vezes a manete torta é o maior causador do rompimento do cabo.

3 – Embreagem

A embreagem de uma motocicleta é um conjunto que à primeira vista parece ser um sistema complexo de entender, mas que na verdade é bem simples. A embreagem é composta por discos de fricção que fazem o trabalho de transmitir a rotação do motor para as engrenagens até chegar nas rodas. No entanto, ao longo do tempo e sob estresse que envolve sua utilização, ela se desgasta e quebra. A falha no funcionamento pode decorrer de algumas das peças, como o cubo, platô, disco, ou até de toda a embreagem.

4 – Pistão e Comando de válvula

Quando ocorre uma falha no motor, o pistão é a peça que recebe o impacto do estrago. É comum que uma corrente de comando também seja afetada, distorcendo o formato das peças de tal maneira que se tornam irreconhecíveis depois de um tempo. A dica? Não economize na manutenção.

5 – Freios

Claro, os freios não poderiam ficar de fora. Apesar de ainda existirem muitas motos com freio a tambor, hoje em dia boa parte das motocicletas conta com discos de freio ao menos na dianteira. Com a frequência no atrito entre as peças, o desgaste atinge não só as pastilhas, como também o disco.